Ação de Sensibilização – Mutilação Genital Feminina

Ação de Sensibilização «Mutilação Genital Feminina- Zero Tolerância»
Apresentar caminhos para a sua diminuição e se possível a sua extinção

Realizou-se uma ação de sensibilização/consciencialização, com a designação “Mutilação Genital Feminina- Zero Tolerância”, na Escola Secundária da Baixa da Banheira, no concelho da Moita, uma escola inserida numa comunidade multicultural, onde esta prática pode, com alguma probabilidade e risco, ocorrer.

Foi a primeira vez que um evento desta natureza teve como palco uma escola e como intervenientes alunos de diversos escalões etários, abordando um tema tão delicado.

Realizou-se uma ação de sensibilização/consciencialização, com a designação “Mutilação Genital Feminina- Zero Tolerância”, na Escola Secundária da Baixa da Banheira, contando com a presença da Secretária de Estado dos Assuntos Parlamentares e da Igualdade, Dr.ª Teresa Morais, da Presidente da CIG (Comissão para a Cidadania e para a Igualdade de Género), Dr.ª Fátima Duarte, da Diretora Executiva para a Violência de Género na UMAR (União de Mulheres Alternativa e Resposta), Dr.ª Elisabete Brasil entre outras entidades de relevo na comunidade.

A iniciativa desenvolveu-se no dia 26 de fevereiro, entre as 10 e as 13 horas, no âmbito da colaboração desta escola com a UMAR, no Projeto ISI (Informar, Sensibilizar para a Intervenção) Contra a Violência de Género, tendo como objetivo despertar nos alunos uma nova consciência social, ao ponto de se tornarem, eles próprios, embaixadores desta causa.

A comunidade escolar pode testemunhar, de forma emocionada, a forma empenhada, séria, e generosa como os intervenientes, ao longo de todo o processo, (desde a conceção, preparação e execução do projeto) transformaram um tema que lhes foi proposto, numa verdadeira causa que genuinamente passaram a defender, de forma militante. Abraçaram essa causa corporizando-a com grande qualidade, na realização de vídeos, encenações e testemunhos, ao
longo de vários meses, apresentando esses trabalhos e documentos nesta data e no contexto deste evento.

Foi a primeira vez que um evento desta natureza teve como palco uma escola e como intervenientes alunos de diversos escalões etários, abordando um tema tão delicado. Tendo em consideração o grau de sensibilidade social que envolve o tema, o seu carater intimista e o facto de esta escola estar inserida numa comunidade multicultural, onde esta prática pode, com alguma probabilidade e risco, ocorrer, entende-se ter sido dado um passo significativo no sentido pretendido, ou seja, contribuir para revelar um fenómeno e apresentar caminhos para a sua diminuição e, se possível, a sua extinção.

Ficou bem vincado, nas diversas intervenções e apresentações, o quanto é imperioso e urgente mudar mentalidades, não apenas das pessoas envolvidas, mas de toda a sociedade, alertando-a para uma realidade que fragiliza a Mulher, tendo como certo que, contrariamente ao que muitas vezes supomos, estas práticas violadoras da lei e acima de tudo dos direitos humanos, nem sempre estão assim tão longe da nossa vista e do alcance da nossa ação para
contribuirmos para alterar mentalidades e comportamentos.

Conforme a Senhora Secretária de Estado referiu, “.estes jovens, rapazes e raparigas envolvidos, serão como faróis nas suas comunidades, na defesa desta causa”. Foi e é, para nós, enquanto comunidade escolar, uma enorme honra assistir ao processo de transformação de alguns destes jovens em verdadeiros embaixadores de uma causa que muitos deles desconheciam. A sua participação genuína em todo este processo e os resultados visíveis nas expressões daqueles que assistiram às suas realizações, demonstraram a estes jovens que cada um deles pode fazer a diferença, defendendo os valores e as causas em que verdadeiramente acreditam.

Após esta iniciativa, mais do que cumprir meramente estruturas curriculares, a Escola Secundária da Baixa da Banheira, enquanto comunidade escolar, entendeu que pode valorizar-se assumindo outras dimensões do ensino e da aprendizagem fora da sala de aula, onde os valores, a sociedade e o humanismo sejam centrais para um melhor desenvolvimento dos nossos jovens.

Fonte: Jornal Rostos
http://www.rostos.pt/inicio2.asp?cronica=7000087&mostra=2